quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Um discurso do tipo solitário


Ao afirmar que “o discurso amoroso é hoje em dia de uma extrema solidão”, Roland Barthes está limitando as possibilidades do sentimento amoroso - esse limite é dado por aquele que ama, é solitário por ser singular, é único. Alguns filósofos tiveram a pretensão de reduzir o sentimento amoroso à universalidade. Descartes chamou-o de conveniência; Schopenhauer chamou-o de instinto de preservação da espécie. Mas ambos apenas tentaram descrever o “amor”, tirando dos sujeitos um sentimento único e jogando para o plano desencantado dos conceitos, o filosófico. Esse plano é frio, é sem corpo, é definitivamente sem sujeito/pessoa - é assalto, pois rouba aquilo que de mais singular temos em nosso ser: o encanto de justificar a nossa própria vida na do outro, não por conveniência e nem por preservação, pois o amor é anti-político, como afirma Hannah Arendt. Quando não há uma definição com pretensão de Verdade, o terreno solitário do discurso amoroso se afirma, ele é singular na medida em que se faz a partir de um “eu” em si mesmo, angustiado a maneira de Freud: “A única coisa que me faz sofrer é ver-me na impossibilidade de te provar o meu amor”, que além de afirmar a angústia diante da impossibilidade desse discurso se dar, é ele próprio um discurso amoroso e, portanto, solitário por excelência.

2 comentários:

  1. Amiga q lindo...
    Impar.
    Aplausos de pé para a profundidade desse texto.
    Lindo lindo.

    ResponderExcluir